Leitura bíblica - dia 41

Gênesis 41
Dois anos depois é Faraó que tem um sonho estranho.  Finalmente o copeiro se lembra de José e o indica a Faraó para que interprete o seu sonho. Deus dá a José uma sábia interpretação e Faraó fica tão impressionado que o coloca como governador do Egito. Ele foi honrado e recebeu uma esposa que lhe deu dois filhos. De acordo com o que foi revelado através do sonho de Faraó, vieram sete anos de muita fartura e prosperidade. Nesse tempo,  por ordem de José, muito alimento, principalmente trigo, foi estocado. Quando a seguir, vieram sete anos de fome e miséria, o Egito vendeu esse estoque, não apenas para o povo egípcio,  mas também para os povos vizinhos.

Salmos 41
Ao mestre da música. Um salmo de Davi. Esse título é freqüente e serve para lembrar-nos o valor do salmo, ao vermos que não foi entregue a nenhum músico de menor mérito; e também nos informa quanto ao autor que fez de sua própria experiência a base de um canto profético, no qual um muito maior do que Davi é colocado. Que ampla variedade de experiência foi a de Davi! Que força isso lhe deu para a edificação de futuras épocas! E que pleno tipo de nosso Senhor ele próprio se tornou! O que era amargura para ele provou ser uma fonte de doçura infalível para muitas gerações de fiéis.
Jesus Cristo traído por Judas Iscariotes é evidentemente o grande tema deste salmo, mas cremos que não o seja exclusivamente. Ele é o antitipo de Davi, e todo o seu povo é, nas devidas medidas, como ele; por isso, palavras adequadas ao Grande Representante são muito aplicáveis àqueles que estão nele. Aqueles que recebem uma vil paga por bondade contínua dada a outros podem ler esse cântico sentindo muito consolo, pois verão que é, por infelicidade!, comum demais até o melhor dos homens ser recompensado por sua caridade santa com crueldade e desprezo; e quando, por caírem no pecado, tirou-se vantagem de sua humilhação, suas boas ações ficaram esquecidas e a mais vil malevolência se desencadeou sobre eles.
(Charles Spurgeon)

Marcos 14
Uma mulher derrama um perfume caro sobre Jesus,  gerando indignação em alguns presentes que consideram isso um desperdício.  Logo depois, Judas Iscariotes procura os religiosos para combinar um jeito de entregar Jesus em troca de dinheiro.  Enquanto isso, os discípulos arrumam o lugar onde seria realizada aquela que é conhecida como a última ceia. Nesse evento, Jesus afirma que um deles irá traí-lo. Reparte o pão e o vinho,  cantam um hino e partem para o Monte das Oliveiras onde ele fala sobre as coisas que estão para acontecer. Pouco tempo depois,  Judas chega com os religiosos que acusam a Jesus, que é preso e humilhado.  Este também é o capítulo em que Pedro o nega por três vezes.