Leitura bíblica - dia 59

Êxodo 9
Deus continua mandando pragas ao Egito, mas nada faz com que o faraó permita a saída do povo hebreu. Uma das pragas matou os rebanhos egípcios. Outra, encheu a todos com feridas purulentas (exceto o povo de Israel).
Finalmente o faraó deixa o povo ir, após uma terrível tempestade de granizo, a pior de toda a história egípcia. Muitos morreram. Faraó reconhece o seu erro e libera o povo. Mas, tão logo a tempestade cessa, ele volta atrás na sua decisão. 

Salmos 59
É estranho que os eventos dolorosos da vida de Davi terminassem por enriquecer o repertório de baladas de menestréis da nação. De um solo azedo, pouco generoso, surgem as flores carregadas de mel da salmodia. Se ele nunca tivesse sido cruelmente caçado por Saul, Israel e a igreja de Deus em épocas posteriores teriam ficado sem esse cântico. (Charles Spurgeon)

Lucas 16
A partir do versículo 19, Jesus conta a parábola do homem rico e  do mendigo Lázaro.
Resumindo a história: o mendigo vai para o céu enquanto o homem rico vai para o inferno. De lá, ele vê Abraão no céu e pede para que sua família seja avisadada dessa situação, para que futuramente não venham a ter o mesmo destino que ele.  Abraão porém, sentencia:

"Eles têm Moisés e os Profetas; que os ouçam."
(Lucas 16:29)

Obviamente, ao citar Moisés e os Profetas, Abraão se referia as Escrituras Sagradas. Perceba que Jesus está falando que a consideração às Escrituras, podem definir se uma pessoa estará no céu ou no inferno. Justamente o texto que tem sido tão negligenciado por inúmeras religiões ditas cristãs.