Leitura bíblica - dia 87

Êxodo 34
Em sua fúria, por causa do bezerro de ouro que os israelitas haviam construído, Moisés destruiu as Tábuas da Lei dadas por Deus.  Agora, do alto do monte, o Senhor pede a Moisés que providencie novas tábuas pois Ele iria refazê-las.

Aqui temos um legítimo "apelo". Não o apelo que vemos hoje em dia nas igrejas, onde o homem "aceita" a Deus. Mas o verdadeiro apelo: onde o homem é que clama para que Deus o aceite:

"Senhor, se de fato me aceitas com agrado, acompanha-nos o Senhor. Mesmo sendo esse um povo obstinado, perdoa a nossa maldade e o nosso pecado e faze de nós a tua herança".
(Êxodo 34:9)

Deus então, refaz a aliança com o povo mediante a sua obediência, enfatizando Seu repúdio à idolatria a outros deuses, ídolos de escultura, acordos e casamentos com pessoas de outros povos e crenças. Pede observação às Suas festas, primícias, sacrifícios e à guarda do sétimo dia para descanso.

Depois de quarenta dias,  Moisés desce do monte já com as Tábuas da Lei. Seu rosto está resplandecente de tal forma que ele precisa usar um véu. Todos ficam admirados com isso.

Salmos 84
TÍTULO E ASSUNTO
Ao mestre dos músicos sobre Os Lagares. Um salmo para os filhos de Corá. Este salmo bem merecia ser confiado ao mais nobre dos filhos da hinologia. Nenhuma música poderia ser doce demais para seu tema, ou delicada demais no som para se comparar à beleza de sua linguagem. Mais doce do que a alegria do premer do vinho (pois este diz-se ser o sentido da palavra traduzida por Gittith), é a alegria das assembléias santas da casa do Senhor; nem mesmo os filhos favorecidos da graça, que são como os filhos de Corá, podem ter um assunto mais rico para cantar do que os festivais sagrados de Sião. Importa pouco quando foi escrito esse salmo, ou por quem; para nós, ele exala um perfume davídico, cheira às urzes, plantas dos montes, e aos lugares solitários desérticos, onde o rei Davi deve ter se alojado muitas vezes durante suas muitas guerras. Este poema sacro é um dos mais especiais da coleção; irradia um brilho suave, que faz merecer ser chamado A pérola dos salmos. Se o salmo 23 é o mais popular, o 103 o mais alegre, o 119 o mais profundamente experimental, o 51 o mais sentimental, este com certeza é um dos mais doces dos salmos de paz. Peregrinações ao tabernáculo eram um traço distintivo da vida judaica. Na Inglaterra, peregrinações ao santuário de Canterbury, e de Nossa Senhora de Walsingham, foram tão generalizadas a ponto de afetar toda a população, e determinar a construção de estradas, a construção de pensões, e a criação de uma literatura especial; isso pode nos ajudar a entender a influência da peregrinação sobre os antigos israelitas. Famílias viajavam juntas, formando grupos que cresciam em cada parada; acampavam em clareiras ensolaradas no meio de bosques nativos à beira dos caminhos; cantavam em uníssono ao longo das estradas, lutavam juntos para atravessar montes e brejos que aparecessem pela frente, e, na caminhada, acumulavam lembranças felizes que nunca seriam esquecidas. Se alguém fosse excluído da companhia santa dos peregrinos e do culto devoto da congregação, certamente encontraria neste salmo a expressão adequada para seu espírito pesaroso.

João 20
Domingo de Páscoa.
Segundo o relato de João, ele é o primeiro discípulo a chegar ao túmulo de Jesus, depois de Maria Madalena ter contado que o corpo não estava mais lá. Pedro teria ficado pra trás na correria. Se bem que Pedro foi o primeiro a entrar no sepulcro, enquanto João observava de fora. Viram, constataram e voltaram para casa,  enquanto Maria Madalena permaneceu por alí.  Ao olhar para dentro do túmulo, viu dois anjos sentados onde o corpo de Jesus estivera e logo depois avistou o próprio Jesus. A princípio pensou ser um jardineiro, mas em seguida o reconheceu. Ela foi avisar os outros.  Naquela mesma noite, Jesus apareceu a vários discípulos,  mostrando-lhes as feridas da crucificação.  Quando contatam isso para o discípulo Tomé, ele mandou o seu famoso "só acredito vendo". Uma semana depois, Jesus reaparece e desta vez é visto por Tomé.

"Então Jesus lhe disse: "Porque me viu, você creu? Felizes os que não viram e creram".
(João 20:29)