Leitura bíblica - dia 89

Êxodo 36
Os israelitas estavam trazendo várias ofertas para a construção do Tabernáculo. Os homens que foram capacitados por Deus para a execução do trabalho, interromperam as atividades e avisaram a Moisés que já tinham material suficiente, mas o povo não parava de trazer ofertas. Então Moisés decretou algo que dificilmente ouviremos nos "templos" de hoje:

"Nenhum homem ou mulher deverá fazer mais nada para ser oferecido ao santuário". Assim, o povo foi impedido de trazer mais, pois o que já haviam recebido era mais que suficiente para realizar toda a obra.
(Êxodo 36:6/7)

O capítulo segue com a montagem da tenda. As bases, armações, cortinas, véus, bordados... Tudo descrito com uma grande riqueza de detalhes. Não deixe de conferir.

Salmos 86
Uma oração de Davi. Temos aqui um dos cinco salmos intitulado Tephillahs ou orações. Este salmo consiste de louvor bem como de súplica, mas é em todas as partes tão dirigido a Deus que é mais adequadamente chamado de "oração". Uma oração é nada menos, porém mais ainda uma oração por ter veias de louvor cursando por ele. Este salmo parece ter sido especialmente conhecido como sendo oração de Davi; assim como o salmo 90 é "a oração de Moisés". Davi o compôs e, sem dúvida, muitas vezes se expressou em linguagem parecida, tanto a matéria como as palavras combinando com suas variadas circunstâncias e expressando as diferentes características de sua mente. Em muitos respeitos se assemelha ao Sl 17.1-15, que leva o mesmo título, mas que em outros respeitos é bem diferente; as orações de um homem bom tem uma semelhança familiar, mas eles têm tantas diferenças quanto concordâncias. Com este salmo, podemos aprender que os grandes santos que viveram no passado oravam muito como nós fazemos hoje; os crentes de todos os tempos são de uma mesma espécie. O nome de Deus ocorre com grande freqüência neste salmo, às vezes sendo Jeová, mas, mais comumente, Adonai, que muitos estudiosos sábios crêem ter sido escrito pelos copistas judeus em vez do título mais sublime, porque seu medo supersticioso os levava a fazer assim: nós, que não lidamos com nenhum desses medos atormentadores, alegramo-nos em Jeová, nosso Deus. É interessante que aqueles que tanto temeram seu Deus, e que não ousavam escrever seu nome, tiveram tão pouco temor piedoso, que ousaram alterar sua palavra.
(Charles Spurgeon)

Atos 1
Há mais ou menos um mês, vimos aqui o Evangelho de Lucas. O livro de Atos é sua continuação, também escrito por Lucas em algum período entre o ano 60 e 70.
Ambos os livros são endereçados a um certo Teófilo,  que não sabemos quem é.

Teófilo é um nome próprio «derivado do grego Théophilos [de philos (amigo) e Theo (de Deus)] que significa"amigo de Deus", "amado por Deus", pelo latim Theophĭlu.

Ou seja. Teófilo somos nós, leitores cristãos. Os livros são endereçados à nós.

Logo no início temos a informação de que, após sua ressurreição, Jesus apareceu aos discípulos durante um período de quarenta dias, dando provas indiscutíveis de que estava vivo. Ele já havia deixado a eles a comissão de irem pelo mundo pregando o Evangelho, porém ele os instrui a permanecerem em Jerusalém por um pouco mais de tempo,  pois seriam batizados com o Espírito Santo. O que será isso? Perceba que, até aquele momento, os discípulos não têm uma noção exata de quem é Jesus. Eles ainda pensam ser ele o libertador político que vai tirar Israel das mãos dos romanos. Isso se confirma com a seguinte pergunta que é feita a Jesus:

Então os que estavam reunidos lhe perguntaram: "Senhor, é neste tempo que vais restaurar o reino a Israel?"
(Atos 1:6)

Jesus responde algo como: "olha... Não fiquem pensando nisso.  Quando vocês receberem o Espírito Santo, terão condições de serem minhas testemunhas."

E logo em seguida, ascendeu aos céus.

Em seguida os discípulos (agora conhecidos como apóstolos) se reúnem para escolher um substituto para Judas Iscariotes. O escolhido é Matias.