Leitura bíblica - dia 117

Levítico 23

Instituição de festas a Deus.
Reafirmação do sétimo dia como dia de descanso e reunião sagrada.

Salmos 113

Este salmo é de puro louvor, e contém muito pouco que requer ser exposto; um coração ardente, cheio de adoração admiradora pelo Altíssimo, compreenderá melhor este hino sacro. Seu tema é a grandeza e a bondade condescendente do Deus de Israel, como se mostra ao levantar os necessitados de sua baixa condição. Pode ser cantado apropriadamente pela igreja durante um período de avivamento depois de ter por longo tempo diminuído e estar derribada. Com este salmo começa o Halel (série de salmos que começam com "Aleluia"), ou seja, o Aleluia dos judeus, que era cantado em suas festas solenes: aqui o chamaremos O COMEÇO DO ALELUIA. Dr. Edersheim (Jesus, o Messias, Shedd Publicações, no prelo) nos conta que o Talmude frisa a adequação especial do Halel à Páscoa, "visto que não só recorda a bondade de Deus para com Israel, como especialmente seu livramento do Egito, e por isso começa apropriadamente com "Louvem, ó servos do Senhor, louvem o nome do Senhor!" - e não mais servos de Faraó". Suas alusões aos pobres no pó e necessitados no monturo de esterco estão de acordo com Israel no Egito, como também a referência ao nascimento de numerosas crianças onde eram menos esperadas.
(Charles Spurgeon)

Atos 28

Depois do naufrágio relatado no capítulo anterior, todos nadam até terra firme, chegando à ilha de Malta. Uma cobra se prende à mão de Paulo e todos ficam apreensivos pensando que seria uma picada fatal. Quando, passado um tempo,  nada acontece, passam a achar que Paulo seria uma espécie de deus.
Um dos principais homens da ilha chamado Públio, hospeda os irmãos em sua casa. Seu pai é curado por Paulo e outras pessoas aparecem para serem curadas. Três meses depois, partiram para Roma, onde Paulo ficou por dois anos numa espécie de prisão domiciliar.