Leitura bíblica - dia 147

1 Coríntios 14

Há mais de cem anos existe uma grande confusão em algumas frentes evangélicas quanto ao dom bíblico de línguas estranhas (ou estrangeiras em algumas versões). A mesma confusão aparentemente se dava na igreja em Corínto. Paulo dedica todo este capítulo para, amorosamente, esclarecer o assunto.

1 Coríntios 14:6/12 - Agora, irmãos, se eu for visitá-los e falar em línguas, em que lhes serei útil, a não ser que lhes leve alguma revelação, ou conhecimento, ou profecia, ou doutrina? Até no caso de coisas inanimadas que produzem sons, tais como a flauta ou a cítara, como alguém reconhecerá o que está sendo tocado, se os sons não forem distintos?

Além disso, se a trombeta não emitir um som claro, quem se preparará para a batalha?

Assim acontece com vocês. Se não proferirem palavras compreensíveis com a língua, como alguém saberá o que está sendo dito? Vocês estarão simplesmente falando ao ar.
Sem dúvida, há diversos idiomas no mundo; todavia, nenhum deles é sem sentido.

(Perceba que ele está falando sobre idiomas existentes)

Portanto, se eu não entender o significado do que alguém está falando, serei estrangeiro para quem fala, e ele, estrangeiro para mim.

Assim acontece com vocês. Visto que estão ansiosos por terem dons espirituais, procurem crescer naqueles que trazem a edificação para a igreja.

Perceba agora:

1 Coríntios 14:18/19 - Dou graças a Deus por falar em línguas mais do que todos vocês.

Todavia, na igreja prefiro falar cinco palavras compreensíveis para instruir os outros a falar dez mil palavras em língua.

Vamos lembrar que Paulo era Judeu (Filipenses 3:4 e 5), cidadão romano (Atos 22:25/27) e, ao contrário dos outros apóstolos, ele era um homem estudado. Analistas de seus escritos dizem que o grego usado por Paulo é excelente. Seu vocabulário não é clássico ou literário, mas assemelha-se ao vocabulário usado na Septuaginta, a tradução grega das Escrituras Hebraicas que ele freqüentemente citava.

Sabemos pela Bíblia,  que Paulo desejava pregar o Evangelho na Espanha (estudiosos dizem que ele conseguiu, mas isso é uma outra história). Então, muito provavelmente ele tinha domínio da língua vascuense, que era o espanhol da época. Então temos claras evidências de que Paulo era um poliglota.

Paulo então, aponta para um outro dom mais excelente a ser buscado,  pois através dele toda a comunidade pode ser edificada: o dom da profecia.

1 Coríntios 14:1 - Sigam o caminho do amor e busquem com dedicação os dons espirituais, principalmente o dom de profecia.

1 Coríntios 14:5 - Gostaria que todos vocês falassem em línguas, mas prefiro que profetizem. Quem profetiza é maior do que aquele que fala em línguas.

Mas aí temos outra confusão!!

Muita gente hoje em dia, acha que profetizar é determinar algo para que aconteça (eu profetizo que você vai arrumar um emprego semana que vem) ou ainda, aqueles que acham que ter o dom de profecia é adivinhar o futuro, como se fosse uma revelação do próprio Deus, alheia às Escrituras. O pior é que muitos que dizem ser "profetas" têm exaltado à si próprios e levado multidões ao engano.

Esse erro é mais um daqueles casos em que o problema não está simplesmente na má interpretação da Bíblia, mas também no não conhecimento da própria Língua Portuguesa.

Perceba:

Profetizar = Proferir = Professar

Ou seja, profetizar é ensinar a Palavra de Deus.

Paulo diz que esse é um dom que devemos buscar. Ora, de que forma buscaríamos um dom de prever o futuro? Ou de receber mensagens do próprio Deus?

Por outro lado, o dom de ensinar a Palavra de Deus é algo que se pode buscar, estudando a Escritura, aplicando-a em nossas vidas e exortando aos irmãos que procedam da mesma forma.

Pare de prestigiar falsos profetas, querendo saber o futuro.

Jesus diz:

“Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã não nos pertence. Basta a cada dia o seu mal”. (Mt 6.25)